Um dia depois de se entregar na sede da Polícia Federal, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Jorge Picciani e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi tiveram sua prisão revogada e seus mandatos devolvidos em votação sigilosa na Alerj. Foram 39 votos favoráveis contra 19 e uma abstenção (do filho de Picciani).

 

Fachin deixará o STF decidir sobre Cunha e Geddel

Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima entraram com recurso no STF pedindo que o processo onde são acusados, de integrar uma organização criminosa, supostamente chefiada pelo presidente Michel Temer, tramitem no (Supremo Tribunal Federal) STF e fiquem estagnados, juntamente com a acusação de Temer, até o final do mandato do peemedebista. Segundo os acusados os fatos são indissociáveis e seria uma incoerência os processos correrem em separado e em instancias distintas. Edson Fachin, relator da Lava-Jato, levará a decisão sobre a matéria ao plenário do Supremo, onde deverá ser pautada pela ministra Cármen Lúcia.

Governo libera R$7,5 bilhões

Em busca de melhorar a imagem do governo e de ganhar pontos com ministros e partidos, Michel Temer anuncia liberação de R$7,5 bilhões do orçamento. Segundo a equipe econômica, o desbloqueio não vai prejudicar a meta fiscal de 2017. A liberação feita às portas de uma grande reforma ministerial garante dividendos políticos para os atuais ministros que pretendem sair candidatos em 2018 pois injeta recursos que podem ser utilizados em projetos de grande visibilidade local.

Com informações do Estadão, Folha e Globo News.