Um encontro fora da agenda presidencial colocou o presidente Michel Temer novamente em uma situação problemática. Um café com deputados dissidentes do PSB gerou a suspeita de que o peemedebista estaria convidando a que os parlamentares migrassem para o PMDB. O PSB foi signatário de um dos pedidos de impeachment ms não fechou questão sobre o tema. O líder do partido, Carlos Siqueira, disse nesta terça-feira, 18, que, ao agir diretamente para atrair parlamentares pessebistas para seu partido, o presidente Michel Temer está confundindo a presidência da República com a do PMDB. Segundo ele, Temer deveria se preocupar mais em governar o país do que se dedicar a questões partidárias visando “salvar a própria pele”. Hoje ocorrerá um jantar com lideranças, a pedido de Temer, para botar panos quentes no acontecido.

Cortes na Lava-Jato

Em um questionário com 40 questões relativas à proposta orçamentária do Ministério Público para 2018, a nova procuradora-geral, Raquel Dodge, questiona o atual procurador-geral Rodrigo Janot acerca das reduções no orçamento da lava-Jato, entre outras questões de interesse da instituição. A força tarefa teria solicitado  R$ 1,65 milhão. Foi apresentada a proposta de somente R$ 522,7 mil.

Temer x Janot

A defesa do presidente questionará judicialmente a decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fatiar as denúncias contra Temer, caso sejam apresentadas novas ações no Supremo Tribunal Federal.

Com informações da Folha, Estadão e G1.