A prisão de Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente, encerra com forte tensão política uma semana na qual Michel Temer conservou boas chances de se manter no cargo. Será necessário monitorar seus desdobramentos. Temer apresentou pelo menos três boas razões para continuar no cargo: não tem um substituto natural, defende uma agenda de reformas compartilhada pelo mercado e conseguiu bloquear as tentativas de demonstrar que cometeu crimes no exercício do mandato. No próximo dia 6, o TSE julgará sua cassação, principal evento da crise.

Veja quem são os personagens de destaque da semana:

TSE julgamento Dilma-Temer

MICHEL TEMER

Permanece no jogo, mas sob impacto da retirada de apoio do PSDB e isolado por ataques da PGR comandados por Rodrigo Janot, que não será reconduzido. Trava-se uma guerra Executivo X Judiciário X Ministério Público pela inspiração da Operação Lava-Jato no comando da nova política. Esta semana, o presidente enfrentará o julgamento da chapa Dilma/Temer que poderá resultar na cassação do seu mandato.

 

gleisi hoffmann

GLEISI HOFFMANN

Alvo de investigação da Lava-Jato, é a primeira mulher a presidir o PT. “Quem tem ligação com o povo, tem história, não pode ser facilmente desconstruído”, afirmou. Apoiada pela corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), da qual faz parte Lula, ela foi eleita por 367 (61%) dos 593 votos. Disputou o cargo com o senador Lindbergh Farias (RJ), que recebeu 226 votos (38%), e o militante José de Oliveira.

 

rocha loures

ROCHA LOURES

Homem de confiança de Michel Temer, preso por suspeita de cometer os crimes de organização criminosa, corrupção passiva e obstrução de Justiça. Foi flagrado pela PF recebendo em São Paulo uma mala com R$ 500 mil, como intermediário de suposto esquema do presidente. Segundo delações de executivos da JBS, o dinheiro era a primeira parcela de propina paga para campanha do PMDB.

 

aécio lava jato

AÉCIO NEVES

Denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de corrupção passiva e obstrução da Justiça. Impacto devastador sobre candidatura do senador mineiro afastado e ex-presidente do PSDB, cuja irmã, Andrea, está presa. A PGR pede que eles sejam condenados a pagar R$ 6 milhões por danos morais decorrentes de corrupção (R$ 4 milhões) e reparação por danos materiais (R$ 2 milhões).

 

lula segundo turno

LULA

Ex-presidente prefere perder dez eleições diretas do que disputar uma eleição indireta para presidente da República. A meta é a eleição do ano que vem, em cuja corrida Lula está na frente com 30% da preferência popular e vence todos os adversários no segundo turno. Partido aproveitou Congresso em Brasília destinada a eleger Gleisi e faz um balanço da situação política: Lula acha que Temer se mantém no cargo.