O presidente Michel Temer é reprovado por 59% dos formadores de opinião no Brasil. Entre 14 países da América Latina (AL), este índice é de 64%. Sua aprovação é de 41% (Brasil) e 30% (AL).

Os dados são do Ipsos, terceiro maior instituto de pesquisa do mundo com sede na França. Entre os 11 chefes de estado avaliados em toda a AL, Temer é o nono colocado, com 30% – à frente de Peña Nieto, do México (25%), e Nicolás Maduro, da Venezuela (6%).

ipsos_pesquisa_temer_chefes-estado_jan2017

Na outra ponta, Juan Manuel Santos, da Colômbia (74%), Tabaré Vázquez, do Uruguai (70%), e Mauricio Macri, da Argentina (64%). Michelle Bachelet, do Chile, é um caso curioso.

Com 58% de aprovação na AL, a chilena é rejeitada por 94% de seus compatriotas. Pedro Pablo Kuczynski, do Peru, é o mais bem avaliado internamente (89%).

O Ipsos apurou que a maior aprovação de Temer fora do Brasil é no México (39%). No outro extremo, apenas 14% dos argentinos aprovam o brasileiro.

É também na Argentina que presidente do Brasil é recordista em rejeição (72%). A menor desaprovação a Temer vem do México (55%).

A pesquisa, realizada em oito países da América Latina onde o Ipsos tem escritórios, apresentava cinco opções aos entrevistados. Eis, abaixo, o desempenho de Temer diante dos formadores de opinião no Brasil.

. aprova completamente (2%)

. aprova um pouco (39%)

. desaprova um pouco (12%)

. desaprova completamente (47%)

. não sabe/não respondeu (0%)

Quatro chefes de estado latino-americanos são muito bem avaliados pelos brasileiros consultados. Michelle Bachelet (73%), Tabaré Vázquez (69%), Juan Manuel Santos (67%) e Mauricio Macri (55%).

Os índices de reprovação de Temer apurados pelo Ipsos, são diferentes de duas pesquisas amplas feitas em dezembro de 2016 somente no Brasil. Tanto o Datafolha (51%) quanto o Ibope/CNI (46%) registraram índices altos, mas inferiores à nova enquete.

O Ipsos ouviu 295 pessoas em 14 países da América Latina. A coleta de dados ocorreu entre 11/11/2016 e 23/01/2017. Formadores de opinião, no conceito do instituto, são jornalistas e colunistas de meios de comunicação (físicos e virtuais).