O Brasil é país pacífico que se envolveu em uma única guerra externa há 146 anos, contra o Paraguai. Reagiu à invasão de parte do território de Mato Grosso situação que caminhava para ameaçar a região de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. O conflito foi violento. Terminou com a vitória dos Voluntários da Pátria. Conflitos internos, ao contrário, foram muitos ao longo do Império e da irrequieta República verde e amarela.

Poucas vezes, no entanto, os ânimos estiveram tão exaltados quanto agora. A disputa de protagonismo deixou de ser privilégio dos integrantes do poder Legislativo. Em todos os quadrantes, níveis e latitudes autoridades, ou postulantes ao título, se aventuram em proferir decisões capazes de afetar os destinos da Nação. E como o rumo do navio está indefinido, qualquer caminho é recebido com boa sugestão. Conflitos entre os poderes não são bons sinais em nenhum lugar do mundo. Aqui também não.

Unidade política e geográfica

O Império do Brasil foi uma das poucas colônias sul-americanas a ter seu território aumentado depois da independência. A Amazônia, por exemplo, era ligada diretamente a Lisboa. Não tinha relação com o resto da colônia ao tempo do domínio português. O país independente perdeu a província Cisplatina, mas recebeu uma fatia de terra generosa para recompor a que havia sido tirada pelos paraguaios e, mais tarde, incorporou o Acre. O Brasil é um sucesso do ponto de vista geográfico. E da União porque um governo fraco e pobre conseguiu manter a federação em harmonia, apesar das disputas intermináveis. Isto não é milagre. É produto de boa política.

No lado espanhol da América do Sul a história foi diferente. Colômbia e Venezuela constituíam um único país, conforme o desejo de Simon Bolívar. Os dois separaram. O vice-reinado de Nova Granada abrangia, além deles, o Panamá e o Equador. Depois o Panamá alcançou sua independência. O Chile cresceu para o sul e para o norte que era boliviano e peruano. Tropas chilenas estiveram em Lima. As cidades do norte do Atacama eram bolivianas. Até hoje viceja a controvérsia sobre a saída da Bolívia para o mar. Recentemente, a Bolívia esteve muito perto de ser seccionada em duas partes. O pessoal de Santa Cruz de La Sierra queria se separar.

Ventos fortes, mar revolto

O Brasil caminhou impávido. Porém, os tempos esquisitos de hoje, na versão do ministro Gilmar Mendes, indicam que os ventos estão virando no gigante adormecido. Há um evidente vácuo de poder. O presidente perde auxiliares. Tenta colocar na ordem do dia uma agenda positiva destinada a, em curto prazo, iniciar a recuperação da economia. Ou pelo menos balançar uma esperança para os próximos tempos. Os procuradores defendem a sua atuação. E o fazem com tanta ênfase que, vez por outra, exorbitam de suas funções, ultrapassam limites e vão além de suas prerrogativas. As revoluções sempre engolem seus líderes. Isso pode acontecer por aqui.

Os impérios acabam de um dia para o outro. O país continental como é o Brasil estava sendo dirigido por um estranho arranjo entre grandes empreiteiras, dirigentes políticos e bancos oficiais. Dinheiro para todos os lados. É interessante observar um detalhe na delação dos executivos da Odebrecht. Todos foram demitidos e receberam a mesma indenização da empresa. O ministério público pretende cobrar elevado percentual de cada um a título de reembolso por conta dos desvios de verbas públicas. É uma informação interessante. Ao que parece, eles se desentenderam entre si. A empresa quer se refundar e virar essa página vergonhosa. A operação lava jato passou muito do planejado ou sonhado. Foi além da Trapobana imaginária brasileira.

Futuro em risco

As consequências vêm depois. O tsunami não passou, mas vai passar. Poucos restarão politicamente vivos. Líderes regionais vão surgir no momento em que os estados, na sua maioria, estão quebrados. Absolutamente falidos. Em alguns momentos as pessoas de boa fé e com alguma visão de futuro deverão se colocar lado a lado para tentar programar o futuro. Se nada for feito, a hipótese de desagregação do país passa a ficar perigosamente próxima.

Há um bom livro na praça cujo título é O último Império, os últimos dias da União Soviética, Editora Leya, cujo autor Serhii Plokhy é professor em Harvard. Vale a pena ler. De vez quando as conjugações de astros, oportunidades e possibilidades fazem com que os castelos desabem de um dia para o outro. Na extinta União Soviética, o poder se dissolveu depois que o país teve, ao mesmo tempo, dois presidentes, Boris Yeltsin e Mikhail Gorbachev. Não deu certo. O país escorregou pelo ralo da história.