A aprovação do pacote contra a corrupção na Câmara dos Deputados incluiu entre outras medidas a previsão de punição por abuso de autoridade à magistrados, procuradores e promotores. O personagem da semana é o procurador do ministério Público Federal (MPF), Carlos Fernando dos Santos Lima. Um dos integrantes da força tarefa da Operação Lava Jato ganhou notoriedade na condução coercitiva de Lula. O procurador declarou que se a “proposta de intimidação de juízes e procuradores” for sancionada a força tarefa renunciaria ao caso. Veja como é a sua presença online.

Bola Fora

Bola Dentro

Foi duramente criticado pela ênfase com relação à investigação do ex-presidente Lula no âmbito da Lava Jato. Defende o trabalho do MPF no combate à corrupção como parte do serviço como agentes públicos e chama o congresso ao bom senso.
Foi apontado pela imprensa de tentar barrar quebra de sigilo em contas suspeitas relativas à investigação do escândalo do Banestado, o motivo seria por sua esposa ser ex-funcionária do banco. Conseguiu junto com o MPF pressionar o Congresso com relação à mudanças na lei de acordo de leniência e na manobra que tentou anistiar o caixa 2.

Facebook

No perfil do procurador está a divulgação de notícias sobre o MPF e assuntos de interesse pessoal, como a música. O canal também serve como espaço em que admiradores de seu trabalho como procurador deixam palavras de apoio.

Facebook Carlos Fernando Santos Lima

O procurador do MPF não possui contas em outras redes sociais. Veja como está sendo a cobertura da imprensa acerca da possível renúncia da força tarefa da Lava Jato.

O fim da Lava Jato

O procurador, juntamente com a força tarefa da Lava Jato, reagiu duramente às alterações feitas pelos deputados à proposta das 10 medidas contra a corrupção. Em entrevista coletiva, Carlos Fernando disse que, caso as medidas passem como estão, a força tarefa pode renunciar coletivamente ao caso.

MPF no olho do furacão

O processo de discussão e desenvolvimento do pacote anticorrupção foi acompanhado de perto pelo MPF. A divulgação das manobras na Câmara dificultou a ação dos parlamentares acerca de mudança em leis de combate à corrupção.

Lava Jato

Entrevista à Globo News

Em março, o procurador Carlos Fernando Santos Lima e Daltan Dallagnol foram entrevistados no canal Globo News. Miriam leitão perguntou sobre o futuro da Lava Jato, delações premiadas e corrupção. A entrevista foi dada logo antes da apresentação do projeto das 10 medidas contra a corrupção ao Congresso Nacional.