O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, articulador do governo Temer, está envolvido em um escândalo de corrupção envolvendo um apartamento de R$2,6 milhões, em Salvador, BA. O empreendimento está embargado por estar próximo a bens tombados. Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura, que se demitiu semana passada, que acusa Geddel de pressioná-lo a passar por cima do parecer do Iphan que impedia a construção do edifício La Vue, onde o secretário de governo é proprietário de uma unidade. Na Comissão de Ética da Presidência da República a maioria votou à favor da investigação. No entanto, o pedido de vista do conselheiro José Saraiva, único indicado por Temer, suspendeu para 14 dezembro a decisão sobre o assunto.

A cúpula do governo se reuniu esta segunda-feira (21) na primeira reunião do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o conselhão, com Geddel ausente. Todos evitaram manifestar-se sobre o assunto. O presidente, apesar de reconhecer que o ministro cometeu um erro, lembra que é necessário esperar a evolução dos fatos para se tomar uma decisão definitiva. Segundo o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), “essa é uma questão que tem que ser avaliada no devido momento e pelo presidente da República. Na questão ministerial só tem uma pessoa que convida, nomeia e depois, se for o caso, demite. (…) É o presidente da República”. (Folha)

Moreira Franco: permanência de Geddel está sendo discutida

Enquanto os homens fortes de Michel Temer lidam com os desafios de suas próprias pastas as pressões sobre as denúncias de corrupção não param de chegar. Moreira Franco, secretário do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), um dos carros chefe das reformas de Temer, em Paris, onde participa do 4º Fórum Econômico França-Brasil, disse que o presidente ‘está muito preocupado’ com denúncias de corrupção e tráfico de influência feitas contra articulador político do Planalto. Sem dar maiores detalhes sobre o possível afastamento de Geddel, disse sobre a posição da presidência: “Certamente haverá de encontrar uma solução que sirva ao governo, que sirva sobretudo ao País, no sentido de se ter regras que sejam claras, transparentes.” (Estadão)

Lava Jato: Moro ouve testemunhas contra Lula

O juiz federal Sérgio Moro, ouve hoje as primeiras testemunhas do processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tramita na Justiça Federal do Paraná. O processo apura a propriedade do triplex do Guarujá e obras feitas no imóvel pagas pela OAS. Além disso também estão sob investigação pagamentos da OAS do armazenamento de parte do acervo do Instituto Lula.

Esta semana serão ouvidos os empreiteiros Dalton Avancini e Eduardo Hermelino, o ex-senador Delcídio Amaral, o ex-deputado Pedro Corrêa, o ex-gerente da estatal Pedro Barusco, os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa. Também testemunharão o doleiro Alberto Youssef, o pecuarista José Carlos Bumlai, e os lobistas Fernando Baiano e Milton Pascowitch. Moro dispensou a presença de Lula na audiência da ação penal. (O Globo)