O mês de Outubro, na política brasileira, foi marcado pelas Eleições municipais, ações importantes da Operação Lava Jato e avanços na agenda do Palácio do Planalto. Conforme previsto, o PSDB saiu como grande vitorioso e o PT amargou uma derrota histórica. A PEC do teto passou pelo segundo turno e o presidente Michel Temer conseguiu ampliar ainda mais a base aliada. A prisão preventiva de Eduardo Cunha foi a surpresa do mês e abalou os ânimos do Congresso.

O Blog da Política Brasileira preparou uma retrospectiva do mês, com os assuntos mais relevantes, confira:

PSDB conquista hegemonia inédita

doria-psdb

As eleições municipais tiveram no último fim de semana a realização do segundo turno em 55 municípios. O destaque foi a eleição de Marcelo Crivella, no Rio de janeiro e a confirmação do PSDB como o grande vitorioso, em 2017 governará 23,7% da população brasileira.

A política derrotada

morte-politica

Apesar dos resultados favoráveis ao PSDB e à Michel Temer, cuja base aliada conquistou dominará 85% dos municípios, é evidente o descrédito da população na democracia. Isso se revela pelo número de abstenções, votos brancos e nulos. E também pela vitória de “não políticos” como João Doria em São Paulo e da rejeição do PT nos quatro cantos do país.

Vencedores já vivem ambiente interno de divergência

psdb

A hegemonia do PSDB nas eleições criou um cenário muito favorável aos tucanos para as eleições presidenciais de 2018. O partido, no entanto, não está tão harmônico com uma disputa de poderes polarizada entre Geraldo Alckmin e Aécio Neves, ambos influenciando a escolha do novo presidente nacional e almejando a própria candidatura em 2018.

Cunha: um homem imprevisível

Cunha

A prisão do ex-presidente da Câmara, deputado cassado Eduardo Cunha foi, talvez, o único fato que se sobrepôs às eleições no mês de Outubro. Com Lula indiciado e a delação, ainda não aceita, da Odebrecht, envolvendo nomes do alto escalão do Governo Temer, parecia que a Operação Lava Jato já havia atingido o ápice. No entanto, a cassação de Cunha e perda do foro privilegiado permitiu que o Juiz Sérgio Moro decretasse sua prisão preventiva. Em Brasília a tensão só aumenta com o que pode ser revelado caso Cunha negocie uma delação.

O calendário da PEC dos gastos no Senado

Para o presidente Michel Temer o mês de outubro foi marcado por sucessivas conquistas. A PEC 241 do teto dos gastos públicos, pedra fundamental do projeto político econômico de Temer, foi aprovada em segundo turno no Congresso. Agora no Senado, deverá passar também por dois turnos e o presidente da Casa, Renan Calheiros, já declarou estar pessoalmente envolvido no processo e garantiu que as votações ocorrerão até o final do ano.