O fortalecimento do PSDB, em especial em São Paulo, acirrará a disputa interna pela indicação de um pré-candidato à sucessão presidencial de 2018.

O governador Geraldo Alckmin saiu na frente como padrinho de João Doria, medalha de ouro, e também venceu em grandes cidades do interior. Mas deve-se creditar ao presidente do partido, Aécio Neves, a espetacular vitória nacional do PSDB, apesar da derrota em Belo Horizonte. No PMDB, o presidente Michel Temer é o grande beneficiário das conquistas dos 11 partidos de sua base parlamentar. Juntos dominarão cerca de 90% do eleitorado. Apesar de apoiarem medidas impopulares, esses partidos foram os mais votados na eleição.

Essa, no entanto, é uma fotografia do momento. 2017 terá um calendário rico em eventos decisivos. A expectativa de numerosas e tóxicas delações para a Lava-Jato de executivos da Odebrecht é um deles.

A agenda de medidas de ajuste econômico, como a votação da PEC dos Gastos no Senado e o envio da Reforma da Previdência ao Congresso, é outro fator potencial de desagregação.

No PSDB ocorrerão importantes trocas: na liderança da Câmara e na presidência, hoje ocupada por Aécio Neves. Os tucanos também poderão assumir a presidência da Casa.

Queda do PT pulveriza sistema

A derrocada do PT nas eleições municipais, perdeu quase 60% das prefeituras que controlava, pulverizou ainda mais o sistema partidário. Quem mais lucrou com a desidratação do PT foi o PSDB. Embora percentualmente os tucanos tenham crescido menos que outros partidos, eles conquistaram as prefeituras mais importantes.

Base aliada

Legendas como PRB, PSD, PR, PSC, PP e PMDB também se beneficiaram. O crescimento dessas siglas acabou deslocando a balança de poder para a centro-direita.

Outra consequência importante foi a perda da hegemonia do PT no campo da centro-esquerda. Aliado histórico dos petistas, o PCdoB cresceu quase 60%. Quem também ganhou espaço nessa ala foram PSB, PDT e PV.

Apesar de registrarem uma queda bem inferior à dos petistas, PPS, DEM e PTB também perderam espaço em comparação a 2012.

Variação percentual partidos