O primeiro turno das eleições municipais trouxe mensagens importantes para os virtuais candidatos a presidente da República em 2018. Quem saiu como o grande vencedor foi o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Além das vitórias tucanas em municípios paulistas, emplacou o grande feito de levar seu candidato, João Dória, à prefeitura da capital já no primeiro turno.

Ele desafiou o partido e bancou a candidatura contra desconfianças de outros caciques tucanos. Com a vitória de Dória, Alckmin unifica as máquinas da prefeitura e do estado a seu favor e se projeta de forma consistente para 2018.

Aécio Neves (PSDB) também se saiu bem. Seu apadrinhado, João Leite, foi o mais votado no primeiro turno em Belo Horizonte. Como presidente nacional do PSDB, capitaliza o bom desempenho do partido e se mantém no páreo para uma nova candidatura presidencial.

O ministro José Serra é o único cacique tucano que sai derrotado. Apostou na candidatura do PMDB, que ficou em quarto lugar. Esse péssimo resultado e a aproximação com outras legendas o colocam mais distante de uma candidatura à Presidência pelo PSDB.

Em sua primeira eleição após a fundação do Rede Sustentabilidade, Marina Silva apresentou um desempenho muito fraco. O único resultado expressivo ocorreu em Macapá, onde o atual prefeito, Clécio Luís, foi para o segundo turno.

O bom desempenho do PMDB cacifa o presidente Temer, seu principal nome para 2018. O partido tem o maior número de prefeituras (1.028), sete delas no grupo das 93 maiores cidades, entre as quais uma capital.

Líder maior do PDT, Ciro Gomes conseguiu emplacar dois candidatos no segundo turno: os atuais prefeitos de Fortaleza, Roberto Cláudio, e de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior.

O ex-presidente Lula (PT) foi o grande derrotado. Os candidatos apoiados por ele, em sua esmagadora maioria, tiveram resultados pífios. As derrotas na capital e no estado de São Paulo, berço do PT, foram emblemáticas.

captura-de-tela-2016-10-05-as-08-43-16

Futura polarização: PMDB x PSDB

Dos cinco partidos com presidenciáveis, o PMDB – do presidente Michel Temer – e o PSDB – de Geraldo Alckmin, Aécio Neves e José Serra – assumiram o protagonismo eleitoral e estabeleceram nova polarização política para as eleições presidenciais de 2018 em substituição à anterior, PT X PSDB. As duas legendas conquistaram o maior número de prefeituras e terão o maior número de disputas em segundo turno.

O PMDB manteve-se com mais de mil prefeitos, passando dos 1.015 municípios em 2012 para 1.028. Pela primeira vez, desde 1994, a sigla, que continua no topo do ranking partidário, prepara-se para ter candidato a presidente, em princípio seu cacique mais ilustre: Michel Temer.

Os tucanos, que abrigam o maior número de presidenciáveis desde o pleito de 2006, venceram em 793 cidades, agregando mais 107 prefeituras à marca anterior, de 2012. O grande destaque do PSDB foi a vitória no primeiro turno em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, promovendo a legenda e o governador Alckmin à condição de grandes vencedores de 2016.

Já o PT foi o grande perdedor, caindo da terceira colocação em 2012 para o décimo lugar. O partido sofreu uma queda vertiginosa de 630 para 256 prefeituras, fato político de grande impacto negativo, pois tratorou o ex-presidente Lula, candidato a voltar ao Palácio do Planalto.

Essa possibilidade tornou-se remota, pois as minguadas estatísticas do primeiro turno podem aumentar muito pouco, uma vez que a sigla participará de eleições complementares em apenas sete municípios.

A terceira posição partidária em matéria de desempenho em pleitos municiais ficou com o PSD, substituto do PT, que sai de 495 prefeituras para 538 e ainda está no páreo em outras sete cidades em segundo turno.

O nome que representa o partido, do ministro Gilberto Kassab, fortaleceu-se extraordinariamente como força política, tornando-se o mais novo presidenciável da corrida de 2018.

O PDT, de Ciro Gomes, pré-candidato à Presidência da República, ganhou 30 prefeituras (tem 340), cresceu quase dez por cento e brigará por mais oito no segundo turno, entre elas duas capitais – São Luis e Fortaleza.