A PEC dos Gastos deve ser votada ainda esta semana. Para facilitar a aprovação o Planalto já acena com certa flexibilidade. O gasto obrigatório hoje em educação é de 18% da receita com impostos e, na saúde, de 13,2% da receita corrente líquida. O ministro da fazenda Henrique Meirelles informou que, “em educação e saúde, serão mantidos os limites previstos na Constituição atual, apenas tomando o ano de 2017 como base porque consideramos que é um ano em que a receita está mais estável, em função de ser um ano de recuperação da economia”. O piso previsto na PEC 241 será aplicado só a partir de 2018. (O Globo)

João Doria é eleito com 53% dos votos

Eleito no primeiro turno com 53% dos votos, João Doria (PSDB) defende a redução da máquina da Prefeitura de São Paulo. Entre as propostas de campanha estão: redução do número de secretarias e privatização de equipamentos públicos, aumento da velocidade das marginais, fim do programa Braços Abertos (trabalho e renda para dependentes químicos) e substituição pelo Recomeço (programa com internação obrigatória, do governo do estado), convênio com hospitais privados para uso dos equipamentos de madrugada, Ruas musicais, Fim da “indústria da multa”, Escolas com tecnologia e mais vagas em creches por meio de parcerias. (Folha)

Eleições 2016 – PT encolhe e PSDB cresce

Pela primeira vez desde a sua criação o PT verá o numero de eleitos diminuir e terá em 2016 menos vitórias que em 2004. Até as 21h30 de domingo, havia apenas 204 petistas eleitos em um universo de mais de 5 mil cidades. Segundo o resultado parcial no, o partido estava elegendo apenas 4% dos prefeitos do País. Nas eleições de 2012, a taxa foi quase o triplo disso: 11,5%. No ranking de partidos PMDB e PSDB se mantém nas primeiras posições. (Estadão)