Força tarefa da Lava Jato apresenta denuncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula é acusado de comandar o esquema de corrupção na Petrobras e atuar, junto com a empreiteira OAS, no desvio de ao menos R$ 87,6 milhões da estatal. “Sem o poder de decisão de Lula, esse esquema seria impossível […] Lula era o maestro dessa grande orquestra concatenada para saquear os cofres públicos”, declarou o procurador da República Deltan Dallagnol, durante entrevista coletiva. A denúncia envolve também o Tríplex do Guarujá e ainda tem que ser aceita pelo Juiz Sérgio Moro responsável pelo caso em Curitiba. (Folha)

‘Provem uma corrupção minha que eu irei a pé ser preso’, diz Lula

Em reunião do PT o ex-presidente Lula pronunciou-se com relação às recentes denúncias na Lava Jato, relembrou passado humilde, conquistas sociais e políticas do PT e pediu respeito à esposa Marisa. Acusa os opositores políticos de uma conspiração que terminaria a novela iniciada com o impeachment de Dilma. Disse: “E descobri que tanto os meus acusadores, quanto uma parte da imprensa brasileira estão mais enrascados, mais comprometidos do que eles pensam que eu estava. Porque eles construíram uma mentira, uma inverdade, como um enredo de uma novela e tá chegando o fim do prazo. Afinal de contas, já cassaram o (ex-deputado) Eduardo Cunha, elegeram o (Michel) Temer pela via indireta, golpe, cassaram a Dilma. Agora tem que concluir a novela, o desfecho, acabar com a vida política do Lula porque não existe outra explicação para o espetáculo de pirotecnia de ontem.” E desafia, “provem uma corrução minha que eu irei a pé para ser preso”. (Estadão)

 

Reforma trabalhista fica para 2017

Com dificuldade de negociar todas as reformas desejadas, governo decide concentrar esforços para aprovar a reforma previdenciária e a proposta que altera a Constituição e fixa um teto para os gastos públicos. Para não gerar mais um desgaste político e consolidar a base de apoio com os partidos do Centrão a reforma trabalhista ficou para o segundo semestre de 2017. “As prioridades do cronograma político são aprovar a reforma da Previdência e a PEC do teto dos gastos públicos. É isso que está no horizonte do governo” – disse um auxiliar do presidente Michel Temer. (O Globo)