Grace Mendonça, que desde 2003 ocupava o cargo de secretária-geral de contencioso, órgão da Advocacia-Geral da União, foi nomeada pelo presidente Michel Temer para comandar a AGU. Ela substitui o advogado Fábio Medina Osório, que teve esta semana um embate com o ministro da casa civil Eliseu Padilha. Segundo Osório, foi informado da demissão por telefone e a decisão foi política. Grace será a primeira mulher indicada para o alto escalão do governo Temer e visa também minimizar as criticas de falta de representatividade de gênero. (Folha)

Governo muda reação a protestos

Durante viagem à China, diversas falas de descaso do Presidente Michel Temer e seus auxiliares mais próximos desqualificando ou minimizando os protestos são avaliadas agora, pelo Palácio do Planalto, como fonte de estímulo aos manifestantes. Temer decidiu então mudar a estratégia de enfrentamento aos protestos e passará a tratá-los com “naturalidade”. O discurso a ser entoado será o de que o governo respeita qualquer ato da sociedade, acredita que todos têm direito de se manifestar e vê os protestos como parte da democracia. (O Globo)

TSE e TCU encontram indícios de irregularidade em doações

Levantamento feito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou indícios de irregularidades em doações de campanha. Entre os volumes mais expressivos estão os de doações de pessoas com falta de capacidade econômica (R$ 168,3 milhões), doações feitas por sócios de empresas que receberam recursos públicos (R$ 66,2 milhões) e doações feitas por grupos (R$ 14,2 milhões). Os desvios são reflexo da nova legislação eleitoral, mais rigorosa, e a tentativa de burlar a fiscalização. O presidente do TSE, Gilmar Mendes, e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, formalizaram uma parceria para aprofundar a verificação de irregularidades nas contas. Caso as irregularidades sejam confirmadas, elas podem eventualmente levar à impugnação de candidaturas. (Estadão)