Nesta eleição municipal poucos deputados federais e poucos senadores se arriscaram na disputa por prefeituras. Com a classe política bastante desgastada perante a sociedade, a ausência de financiamento empresarial e os cofres municipais vazios, caiu o número de congressistas candidatos. Até o momento, são 76 parlamentares na disputa, sendo 74 deputados e dois senadores.

A quantidade de disputas envolvendo parlamentares federais está bem menor do que em eleições passadas. Em comparação com o pleito de 2012, quando o número de candidatos foi 92, houve uma queda de 17%. O montante atual também é o menor das últimas sete eleições, pois a média de candidaturas nos últimos pleitos municipais foi de 94.

Entre os postulantes, 68 são candidatos a prefeito e oito a vice-prefeito. As disputas ocorrem em 41 capitais e em outras 35 cidades do interior. Rio de Janeiro, que tem cinco candidatos a prefeito e um a vice-prefeito, aparece como a cidade mais cobiçada pelos parlamentares. São Paulo vem logo a seguir, com quatro candidatos a prefeito e dois a vice.

Na esfera partidária, o PSDB é a legenda com o maior número de candidaturas (11). PT e PMDB vêm em segundo lugar, com nove cada. Na sequência, surge o PCdoB, com seis. PR, PSB e PTB estão empatados, com cinco. PSOL e PRB têm quatro. Com três candidatos estão o PSD e o DEM. O SD, o PPS e o PDT possuem dois candidatos. Completam a lista o PP, o Rede, o PHS e o Pros, com apenas uma candidatura.

Esses números são preliminares e podem mudar, visto que a Justiça Eleitoral ainda precisa deferir os registros de candidaturas e há a possibilidade de desistências ou trocas de candidatos.