Os senadores começaram nesta terça-feira (9) a analisar o relatório da comissão especial do impeachment que recomenda que a presidente afastada Dilma Rousseff seja levada a julgamento final no processo que enfrenta no Congresso. Até as 17h59, além do relator, 14 senadores tinham votado a favor do relatório.  Oito votaram contra. Depois da discussão do parecer, o documento será colocado em votação. A sessão começou por volta das 9h45, e a estimativa do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que dure, pelo menos, 20 horas. (G1)

Delator confirma pagamento de propina a Cunha

O delator Júlio Camargo confirmou nesta segunda-feira, diante do deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, num primeiro momento, negou que o ex-presidente da Câmara fosse o beneficiário de propina de um contrato para fornecimento de navio-sonda para a Petrobras por medo de retaliação. A declaração foi feita durante audiência de uma das ações em que Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF). O processo de cassação do deputado deve ficar para depois da conclusão do processo de impeachment de Dilma Rousseff. (O Globo)

Manifestações políticas pacíficas estão liberadas nas Olimpíadas

Após um juiz federal conceder liminar nesta segunda (8), liberando manifestações políticas pacíficas durante as provas dos Jogos Olímpicos, o COI (Comitê Olímpico Internacional) e o Comitê Organizador Rio-2016 disseram que vão recorrer. Algumas pessoas que portavam cartazes escrito “Fora, Temer” foram retiradas de algumas arenas desde o início dos jogos pela polícia. A lei olímpica e as regras internas das competições vetam qualquer tipo de intervenção política ou religiosa nas instalações esportivas. (Folha)