O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) orientou o então vice-presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Fábio Cleto, a segurar um voto por três semanas para cobrar propina de empreiteiras do Porto Maravilha e recomendou voto contrário à liberação de recursos do FGTS para a Sete Brasil. As acusações foram feitas por Cleto em delação premiada assinada com a Procuradoria Geral da República (PGR). A suposta propina teria sido de R$ 52,5 milhões, remetidos a contas bancárias no exterior. (O Globo)

Governo avalia novo corte no Orçamento de 2016 para cumprir meta fiscal

Para garantir o cumprimento da meta fiscal, o governo está trabalhando num novo corte no Orçamento deste ano, segundo informou ao Broadcast, notícias em tempo real do Grupo Estado uma fonte da área econômica. O corte poderá ser estabelecido no próximo relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas, previsto para 22 de julho. Mas não há decisão. “Estamos trabalhando para isso. Como a arrecadação está frustrando as expectativas, terá necessidade de até o final do ano cortar despesas”, afirmou um integrante da equipe do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. (Estadão)

Ministro diz que segurança na Rio-16 será revisada após atentado em Nice

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, declarou nesta sexta-feira (15) que o atentado que matou mais de 80 pessoas na cidade de Nice, no sul da França, deve promover um arrocho nas medidas de segurança para o público durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro. E que isso pode causar transtornos ao público que irá aos eventos. “O atentado em Nice preocupa a nós também. Acompanhamos todos os fatos e tiramos algumas lições. Vamos ter que revisar procedimentos, ampliar barreiras, as revistas, vamos ter que ter uma segurança muito mais rígida. Infelizmente isso pode ser uma dificuldade a mais e um transtorno para as pessoas, mas é para o bem e para a segurança delas”, afirmou o ministro, em entrevista à rádio CBN. (Uol)