Nem mesmo os petistas acreditam no discurso de golpe em relação ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, em tramitação em comissão especial do Senado. A aprovação do processo de cassação do mandato do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, pelo Conselho de Ética, concede um alívio ao governo Michel Temer. Na avaliação de aliados do presidente interino, Cunha maculava a imagem do governo. Cunha será julgado ainda pelo plenário, em votação aberta. Em compensação, o PT decidiu que atacará Michel Temer, inclusive com ações no Supremo Tribunal Federal (STF), alegando vício no impedimento. Acontece que os ministros já decidiram pela continuidade do processo. Na prática, cai por terra o discurso de golpe disseminado por petistas.

 

Sinal vermelho

Petistas estrelados andam preocupados com o rumo da Operação Lava Jato. Enquanto ventilam pelos quatro cantos que o governo Dilma Rousseff lutou incansavelmente para fortalecer a operação, o PT, no fundo, queria enterrar as investigações comandadas pelo juiz federal Sérgio Moro, implacável no combate à corrupção. Expoente do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva anda apreensivo com as apurações. O ministro Teori Zavascki determinou a transferência do processo contra Lula para Curitiba, sob a batuta de Moro.

 

Façam as apostas

O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), acredita que o processo contra Eduardo Cunha terá um elástico placar no plenário. “Não tenho dúvidas de que o plenário da Câmara vai confirmar a cassação do deputado Eduardo Cunha. Serão, pelo menos, 317 votos a favor da perda de mandato. Espero agora que o caso vá ao plenário rapidamente e não se promova mais nenhum tipo de manobra espúria”, afirmou.

 

Supersimples em pauta

O presidente do Senado, Renan Calheiros, informou que o projeto do Supersimples (PLC 125/2015) deve ser votado nesta quarta-feira (15). Segundo Renan, não houve ainda um entendimento completo sobre o texto final que deve ser votado no plenário. Ele disse, no entanto, que houve evolução “na discussão de alguns pontos”. Nessa terça-feira (14), Renan recebeu o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, que apresentou algumas sugestões dos governadores para o projeto. A atualização do Supersimples já havia sido tema de um encontro dos governadores com os líderes partidários no Senado na semana passada, mas não houve acordo sobre as alterações.

 

Lei dos Fundos de Pensão

Um acordo de líderes partidários marcou para a próxima segunda-feira (20) a votação, no plenário da Câmara, do projeto do Senado que altera a Lei dos Fundos de Pensão. A proposta cria novas regras para escolha e atuação de diretores-executivos e conselheiros de fundos fechados de previdência complementar vinculados a entes públicos e suas empresas, fundações ou autarquias. Os líderes definiram que as sessões do plenário da próxima semana serão realizadas na segunda (20) e na terça-feira (21), para que os deputados da bancada do Nordeste possam ser liberados para participar das Festas Juninas.