1. A Odebrecht assinou acordo de confidencialidade com a Operação Lava-Jato. É o primeiro passo para eventuais acordos de leniência da empresa e de delação premiada de Marcelo Odebrecht e executivos do grupo. Investigadores acreditam que eles poderão detalhar financiamentos de campanha, incluindo a de Dilma Rousseff, e tráfico de influência supostamente praticado pelo ex-presidente Lula (Estadão – p.A4).
  2. Dilma terá que se desdobrar mais uma vez para evitar nova rejeição de suas contas pelo Tribunal de Contas da União. A área técnica do tribunal apontou várias irregularidades que fundamentariam a reprovação das demonstrações referentes ao exercício de 2015. O diagnóstico dos auditores será enviado nos próximos dias ao gabinete do ministro José Múcio, que é o relator das contas de 2015. Apesar de toda a celeuma em torno das “pedaladas” fiscais – feitas em grande volume em 2014 -, foram as manobras realizadas no ano passado que embasaram o afastamento de Dilma pelo Senado (Valor).
  3. Desemprego ficou em 11,2% no trimestre encerrado em abril, segundo o IBGE. É a maior taxa de desocupação desde o início da pesquisa, em 2012. Com os dados divulgados, a população de desempregados subiu para 11,4 milhões e bateu recorde. A taxa de desocupação trimestral está subindo há 17 meses consecutivos em comparação ao ano anterior, segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE (G1).

Eventos:

  • 9h – IBGE divulga PIB do 1º trimestre do ano.
  • Dilma apresenta defesa na Comissão do Impeachment do Senado.