1. Pelo cronograma definido pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a sessão de hoje terá três blocos: um de 9h da manhã ao meio-dia, outro das 13h às 18h, e o último bloco, com o relator e o advogado da União, a partir das 19h. Renan Calheiros informou que o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, terá 15 minutos no fim da sessão plenária de hoje para apresentar os argumentos finais contra o provável afastamento de Dilma. Antes dele, o relator na comissão especial, Antonio Anastasia (PSDB-MG), terá também 15 minutos para defender o processo contra a presidente por crimes de responsabilidade (Veja on line).
  2. O governo tenta a última cartada para barrar o processo de impeachment contra Dilma. Um dia antes de o plenário do Senado levar à votação o parecer favorável à continuidade do pedido de impedimento da presidente e decretar seu afastamento por até 180 dias, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, ingressou no STF com novo mandado de segurança pedindo a anulação do processo. O advogado da União promete “judicializar” o caso até o fim (Estadão – p.A5). O ministro Teori Zavascki foi sorteado como relator do mandado de segurança que o governo impetrou o STF para tentar anular o processo de impeachment de Dilma. A assessoria de Zavascki afirmou que o ministro passaria a noite analisando o pedido, devendo proferir uma decisão só na manhã de hoje, quando começa a sessão no Senado que decidirá sobre a abertura do processo de impeachment contra Dilma (G1).
  3. Escolhido para comandar a equipe econômica do vice-presidente Michel Temer, o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, definiu a reforma das regras de acesso à aposentadoria como o principal “endereçamento” da sua gestão à frente do Ministério da Fazenda, que passará a incorporar a Previdência Social. Meirelles já começou a discutir, nas reuniões em Brasília com a equipe de Temer, os detalhes da incorporação, que marcará uma mudança histórica na estrutura da Esplanada dos Ministérios (Estadão – p.B4).

Agenda

  • 9h – Senado inicia análise sobre afastamento de Dilma.
  • Teori Zavascki (STF) pode decidir pedido da AGU para interromper impeachment.