As decisões da Procuradoria-Geral da República desta terça-feira comprometem seriamente o futuro político de Lula, além de reforçar o impeachment definitivo de Dilma e colocar figuras proeminentes do “lulopetismo” em maus lençóis, com potenciais riscos de se tornarem inelegíveis para a disputa de 2018.

O mais sério dos movimentos da PGR foi o pedido de inquérito contra Dilma, Lula, José Eduardo Cardozo e Aloízio Mercadante por obstrução da justiça. O processo já está com o ministro Teori Zavascki e deverá resultar em condenação, tendo em vista tanto o ambiente do STF – bastante hostil a Lula – quanto a abundância de provas que comprometem os investigados.

A acusação a Dilma de ter tentando obstruir à Operação Lava-Jato reforça, sem nenhuma dúvida, a tendência do impeachment no Senado, e deverá resultar na adesão de mais alguns senadores à tese.

Outra consequência é a de enfraquecer a imagem de Dilma no STF, reduzindo dramaticamente as chances de que ela possa obter alguma decisão interlocutória no STF sobre o andamento do processo de impeachment no Senado.

Rodrigo Janot pediu, ainda, a inclusão de Lula, Ricardo Berzoini, Jaques Wagner, entre outros, no inquérito da Operação Lava-Jato que já tramita no STF. Cabe ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no STF, autorizar a inclusão dos novos suspeitos no inquérito que já conta com 39 pessoas. No pedido, Janot afirma que Lula era o “chefe da organização criminosa” que explorou à Petrobras.

Para piorar o que já estava muito ruim, o empresário Ronan Maria Pinto, envolvido nas investigações do assassinato de Celso Daniel, ex-prefeito de Santo André, foi indiciado pelo juiz Sergio Moro no âmbito da Operação Lava-Jato. A prisão de Ronan poderá ter impacto no andamento do caso Celso Daniel que ainda está sob exame do STF.

Os fatos desta terça-feira, apontam para o comprometimento definitivo de Lula, que gastará o resto de sua vida política para se defender no STF de acusações variadas. Inclusive aquelas que poderão afetar casos antigos, como o mensalão, e o já mencionado assassinato do petista Celso Daniel.

A acusação a Lula, caso confirmada, poderá resultar em sua inelegibilidade para 2018, bem como a de próceres do PT, como Jaques Wagner, Aloizio Mercadante, Ricardo Berzoini. Enfim, um verdadeiro “Titanic” partidário.