1. Uma decisão do STF hoje deve ter impacto nas negociações sobre o impeachment de Dilma no Senado. Os ministros vão discutir se liberam ou não o ex-presidente Lula para assumir a Casa Civil. Considerado o principal articulador de Dilma e sem cargo, Lula participou, nos bastidores, das conversas para tentar impedir o avanço do processo na Câmara. A indefinição sobre a situação de Lula, segundo parlamentares ouvidos pela Folha, teve influência, uma vez que havia receio de que acertos com o ex-presidente pudessem ser desautorizados pela presidente Dilma.
  2. Aliança ‘começa mal’, afirma líder do PSDB. Dois dias após a aprovação do impeachment na Câmara, possibilitada em grande parte graças a uma aliança informal entre PMDB e PSDB, as negociações entre os dois partidos ficaram atravancadas. Além da negativa do economista Armínio Fraga, ligado ao PSDB, em integrar um eventual governo Temer, o líder tucano no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), disse ontem que as conversas entre Thomas Traumann, ex-ministro de Dilma Rousseff, com o vice-presidente, são um mau presságio (O Globo – p. 7).
  3. O vice-presidente Michel Temer, em jantar com Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, ouviu relato “dramático” sobre a situação da economia brasileira. A gravidade estaria, de certa forma, camuflada nas últimas semanas pelo impacto da melhora do mercado internacional e pela perspectiva do impeachment de Dilma. O Tesouro Nacional e os estados perdem receitas, a situação da Petrobras é delicadíssima e a estatal vai precisar de injeção de capital. Isso coloca pra o futuro presidente da República grandes desafios (Valor).

Eventos:

  • 14h – STF julga nomeação do ex-presidente Lula para a Casa Civil.
  • IBGE divulga IPCA-15 de abril.