1. A Comissão do impeachment confirmou os próximos passos, quando decidirá se aceita ou rejeita a denúncia por crime de responsabilidade contra Dilma. A intenção é evitar que os prazos do rito determinado pelo STF sejam extrapolados e que a defesa e aliados de Dilma entrem com recursos na Justiça. O relator Jovair Arantes (PTB-GO) apresenta seu voto na hoje à tarde. Depois haverá concessão de vista coletiva aos integrantes da comissão e até segunda (11) haverá votação (Veja on line).
  2. Novo presidente do PMDB, o senador Romero Jucá (RR) criticou duramente o governo Dilma, no plenário, afirmando que o Executivo promoveu no último ano uma “eternidade de incompetência” nos campos político e econômico. Jucá disse que o processo de impeachment não pode ser considerado um “golpe” e afirmou que o partido não “troca o certo pelo duvidoso”, mas sim busca um caminho e uma resposta às ruas, que pedem “fora Dilma” (Veja on line).
  3. Pedaladas fiscais dispararam sob Dilma, diz relatório do Banco Central. Dados dão dimensões precisas à explosão das manobras conhecidas como pedaladas fiscais no governo Dilma. O uso de dinheiro dos bancos federais em programas de responsabilidade do Tesouro é a base do pedido de impeachment contra Dilma. Dados do BC põem em xeque a tese principal da defesa da presidente, segundo a qual seus antecessores também adotaram a pratica (Folha).

Eventos:

  • Relator do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), apresenta seu parecer na Comissão Especial.