O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou que tem “defesa consistente” e negou a intenção de fazer delação premiada, em troca de possível redução de pena, caso seja condenado. “Todo mundo que me conhece sabe que eu nunca chantageei nem ameacei ninguém e não vou mudar depois de velho”, disse. “Eu posso ser tudo, menos chantagista. Isso não condiz com o meu comportamento (Estadão – p.A12). Confira outros destaques desta terça-feira (23):

  1. O Banco Central admite internamente que a inflação estourará o teto da meta, de 6,5%, pelo segundo ano consecutivo. A sinalização de que isso ocorrerá foi dada ontem pelo diretor de Política Econômica da autoridade monetária, Altamir Lopes. Apesar de projetar que o IPCA terá queda de dois pontos percentuais ainda no primeiro semestre e de ressaltar que a retração da atividade econômica favorecerá esse processo, Altamir alertou que diversas incertezas podem levar a carestia a estourar o teto da meta (Correio – p.8).
  2. O juiz Sérgio Moro mandou prender João Santana, marqueteiro de Dilma, e ação envolvendo a campanha de 2014, no TSE, ganha força. A 23ª fase da Operação Lava-Jato, chamada de Acarajé, aponta que Santana recebeu mais de US$ 7,5 milhões em conta no exterior. Suspeita é de que dinheiro tenha sido desviado da Petrobras. Indícios reforçam tese da oposição de abuso de poder econômico na campanha da presidente (Estadão – p.A4).

Eventos:

  • A presidente Dilma Rousseff se reúne com representantes de partidos aliados.
  • O Senado pode votar a Medida Provisória nº 692/15, que aumenta o imposto sobre ganho de capital devido por pessoas físicas, criando faixas adicionais com alíquotas progressivas.
  • A Comissão Mista que analisa a MP 694, que aumenta de 15% para 18% a alíquota do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) aplicado aos juros sobre o capital próprio (JSCP) pagos ou creditados aos sócios ou acionistas de empresa, pode votar o parecer do relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR).
  • O IBGE divulga o IPCA-15 de fevereiro.