Apostando em vitória, aliados de Picciani dizem que Cunha é ‘tadinho’ e que vão lhe ‘estender a mão’

A movimentação em frente ao prédio do deputado Washington Reis, em Brasília, foi grande no final desta terça-feira (16). Deputados chegavam para jantar, mas saíam correndo a cada anúncio de votação nominal no plenário da Câmara. Eduardo Cunha, presidente da Casa, que apoia o adversário de Leonardo Picciani, Hugo Motta (PB), foi o assunto principal do encontro. “Ele é terrível”, dizia um deputado. “Cada um luta com suas armas”, dizia outro resistente em acreditar que o alongamento da sessão nada tinha a ver com impedir o jantar organizado para o ex-aliado do presidente da Câmara. “O problema do Eduardo é que ele não tem limite”, dizia um deputado. “Depois, vamos ajudar ele, tadinho”, completava outro. “Ele está precisando que estendam a mão para ele”, afirmou um parlamentar descrente de que, se derrotado, Cunha terá forças para retaliar aqueles que ficaram com Picciani. (Estadão)

Promotores dizem que ‘indução a erro’ suspendeu depoimento de Lula

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) foi induzido ao erro ao determinar a suspensão dos depoimentos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da mulher dele, Marisa Letícia, sobre suposta ocultação de patrimônio relativa a tríplex em Guarujá reservado ao casal e reformado pela empreiteira OAS, segundo os promotores do Ministério Público de São Paulo.  (Folha)

Dólar acelera a queda e cai a R$ 3,988

Após seis altas seguidas, o dólar comercial opera em queda. A moeda americana voltou a ser cotada abaixo dos R$ 4. Às 15h13, era negociada a R$ 3,986 para compra e R$ 3,988 para venda, recuo de 2,03% ante o real. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 3,04%, aos 42.193 pontos. (O Globo)