Destaques do dia:

  1. O ministro da Casa Civil Jaques Wagner afirmou, em entrevista à Folha, que o PT “se lambuzou” no poder. A declaração irritou os dirigentes petistas. O ex-ministro da Justiça Tarso Genro disse que a afirmativa de Wagner “foi profundamente infeliz e desrespeitosa, porque generaliza e não contextualiza”. Segundo Tarso Genro, o chefe da Casa Civil faz “coro com o antipetismo raivoso que anda em moda na direita e na extrema direita do país”.
  2. Palácio do Planalto escolhe setor de rápida reação a estímulos para não só mostrar que economia vai retomar crescimento como para buscar apoio político contra o risco de impeachment e conter discurso contra o PT nas eleições municipais. Para tentar reverter o pessimismo apontado pelos indicadores econômicos, Dilma planeja apresentar ainda neste mês medidas e propostas que ajudem a retomar o crescimento e animar a economia, mas sem abandonar o ajuste fiscal que tenta implementar.
  3. Com a tentativa de reverter o mau humor dos investidores internacionais com o Brasil, ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, deve repetir o percurso do antecessor Joaquim Levy feito há um ano. Ele pretende ficar três dias no Fórum Econômico Mundial, em Davos, com objetivos claros: buscar um voto de confiança, assegurar à elite global que o ajuste nas contas públicas não está sendo abandonado e demonstrar como a economia brasileira poderá reagir.

Agenda

  • 10h: Dilma se reúne com o chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, no Palácio do Planalto.