Destaques dos jornais

  1. “Ela nunca confiou em mim.” Foi essa a reação do vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP), em conversa com amigos às declarações de Dilma de que espera “integral confiança” do vice, durante a tramitação do processo de impeachment contra ela. Desde início do processo, Temer evita dar declarações públicas em defesa de Dilma, o que gerou reclamações do governo federal e até desentendimentos entre os dois lados.
  2. Na tentativa de impedir a abertura do processo de impeachment contra Dilma, o Palácio do Planalto pretende oferecer à bancada do PMDB na Câmara o comando do ministério da Aviação Civil. O titular da pasta, Eliseu Padilha, aliado de Michel Temer, entregou carta de demissão na quinta-feira, após se irritar com a rejeição pela Casa Civil de três indicados a cargos no governo.
  3. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi informado por aliados de que, no Conselho de Ética, dificilmente escapará da admissibilidade do processo que poderá levá-lo cassação. Cunha e seus aliados vêm conseguindo adiar a decisão do Conselho, que volta a se reunir amanhã para votar o parecer do relator Fausto Pinato (PRB-SP).

Destaques da agenda

  • 9h – A presidente Dilma Rousseff participa de reunião de coordenação política.
  • O ministro demissionário da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), se reúne com o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, para comunicar sua decisão de deixar o cargo.
  • A Câmara realiza sessão extraordinária, às 18 horas, para confirmar os nomes dos integrantes da Comissão Especial do Impeachment.
  • Dirigentes do PT, de partidos e movimentos sociais aliados se reúnem no Centro de São Paulo para traçar a estratégia de mobilização nacional “em defesa da democracia”.