O presidente da Câmara do Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), irá ler o pedido de impeachment, que tem mais de duas mil páginas – elaborado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal – nesta quinta-feira, às 14h, e criar uma Comissão especial para analisar a denúncia.

Segundo a assessoria da Câmara, a comissão deverá ter 66 integrantes, número máximo de membros. Ainda hoje, a presidente Dilma Rousseff deve ser notificada. A partir do recebimento da notificação, ela terá dez sessões da Câmara para apresentar defesa.

Às 11h30m, os líderes dos partidos irão encontrar com Cunha para discutir o andamento do processo. A divisão entre as legendas, também segundo entendimento da Câmara, obedecerá à proporcionalidade dos blocos partidários formados na eleição da Mesa, no início deste ano. A lei do impeachment exige que todos os partidos sejam representados na comissão. Na Câmara, 29 partidos tem deputados atualmente.

O prazo para os líderes indicarem seus representantes para a comissão é de 48h, contando a partir de hoje, retirando o fim de semana. Os nomes serão submetidos ao plenário. Quando eles forem aprovados, a comissão estará formalmente constituída. A partir daí a comissão terá até 48 horas para eleger os 66 integrantes, o presidente e relator.