No terceiro semestre do ano, o Produto Interno Bruto (PIB) teve uma queda de 1,7% em relação ao segundo semestre, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) hoje (1º). Essa é a maior retração do PIB em terceiros trimestres, desde o início da série histórica em 1996.

Em comparação ao terceiro trimestre do ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) teve contração de 4,5% — a maior contração para um trimestre da série histórica do IBGE — e fechou os nove primeiros meses do ano com perda acumulada de 3,2%, também a maior da série.

De acordo com a Agência O Globo, quando se olha a queda recorde de 4,5% do PIB no terceiro trimestre, frente a igual trimestre do ano anterior, todas as atividades pelo lado da produção registraram queda. A indústria teve um tombo de 6,7%, enquanto a agropecuária caiu 2% e serviços, 2,9%.

Em relação ao segundo trimestre, todas as atividades da economia registraram queda, com exceção da despesa do consumo do governo, que subiu 0,3%. Pelo lado da oferta, a agropecuária caiu 2,4% em proporção com o trimestre anterior, acompanhada por um tombo de 1,3% da indústria. Serviços, por sua vez, teve queda de 1%.

Pelo lado das despesas, o consumo das famílias caiu 1,5% e o investimento recuou 4%. As exportações tiveram queda de 1,8%, enquanto as importações tiveram contribuição negativa de 6,9%. Em quatro trimestres, o resultado acumulado é de recuo de 2,5%, o pior desempenho de toda a série histórica.
No setor industrial, a maior queda foi registrada na indústria de transformação, com retração de 3,1% no trimestre frente aos três meses imediatamente anteriores. Os segmentos da construção civil e extração mineral também apresentaram desempenho negativo no mesmo período, com quedas de 0,5% e 0,2%, respectivamente.